A PERSPECTIVA DOS EDUCADORES SOBRE O USO DA LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO MEDIADOR PARA ABORDAGEM DA MORTE

Autores

  • Hávila Raquel do Nascimento Gomes Brito Escola de Saúde Pública do Ceará, ESP/CE, Brasil
  • Cândida Maria Farias Câmara Universidade Estadual do Ceará, UECE, Brasil https://orcid.org/0000-0003-0405-4463
  • Anice Holanda Nunes Maia Centro Universitário Católica de Quixadá, UniCatólica, Brasil
  • Stânia Nágila Vasconcelos Carneiro Centro Universitário Católica de Quixadá, UniCatólica, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0413-7798

DOI:

https://doi.org/10.25190/rec.v13i1.327

Palavras-chave:

Infância, Morte, Educação, Literatura infantil

Resumo

A literatura infantil se apresenta como recurso mediador de temas tratados socialmente como tabus, sendo a morte parte dessa categoria. Nesse sentido, o estudo em questão buscou analisar a perspectiva dos educadores sobre o uso da literatura infantil como recurso mediador para abordagem da morte com crianças no ambiente escolar. Esta é uma pesquisa de natureza aplicada, exploratória e descritiva, de caráter qualitativo. Teve como campo uma instituição escolar filantrópica. A amostra foi composta por dez educadores, com os quais foram realizados três Grupos Focais, com duração de 1 hora e 30 minutos cada. Nos grupos, foram abordados tópicos como a abordagem da morte com crianças e o uso da literatura infantil nesse diálogo. Para melhor interlocução entre os participantes, foram utilizados oito livros infantis que retratavam a morte. A análise dos dados foi realizada pela técnica de análise de conteúdo de Bardin, tendo computado em três categorias. Como resultados, foi possível averiguar que os educadores analisam o diálogo desse tema como difícil. Constatou-se que, antes de ter o contato com a literatura especialista no tema, os participantes consideravam o retrato da morte nos livros infantis – clássicos – como vago, consequentemente não viam a possibilidade de uso deles. Após o contato com os livros, ponderaram ser executável o uso deles na escola e pensaram em formas de inseri-los. Por fim, conclui-se que é necessária a realização de pesquisas nessa temática, para instigar a sociedade à reflexão sobre isso, bem como disseminar informações a esse respeito.

Referências

ALVES, R. Sobre jequitibás e eucaliptos Amor. In: ALVES, R. Conversas com quem gosta de Ensinar. Guarulhos: Cortez, 1980. p. 7-14.

ARAPIRACA, M. A. A literatura infantil na escola. Entreideias, São Paulo, n. 4, p. 1-4, 2000.

ARIÈS, P. A. História da Morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

ASCHIDAMINI, I. M.; SAUPE, R. Grupo focal estratégia metodológica qualitativa: um ensaio teórico. Cogitare Enfermagem, v. 9, n. 1, p. 9-14, 2004.

BACKES, D. S. et al. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O mundo da saúde, v. 35, n. 4, p. 438-442, 2011.

BARBOSA, J. S.; OLIVEIRA, V. V. de. A morte na literatura infantil: diferentes abordagens. In: ENLIJE, 7., 2018, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: Editora Realize, 2018. v. 1, p. 1-12. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/revistas/enlije/trabalhos/TRABALHO_EV120_MD1_SA3_ID74_16072018100149.pdf. Acesso em: 17 nov. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BRANCO, S. O Dia em que a Morte Quase Morreu. Ilustr. Elma. São Paulo: Salesiana, 2006.

CÂMARA, R. H. Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, São João Del-Rei, v. 6, n. 2, p.179-191, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v6n2/v6n2a03.pdf. Acesso em: 21 nov. 2019.

EMEDIATO, L. F. Eu Vi Mamãe Nascer. 9. ed. São Paulo: Geração, 2009.

GARCIA, S. C. G.; FACINCANI, E. F. Literatura infantil e escola: algumas considerações. In: CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 16., 2007, Campinas. Anais [...]. Campinas: Associação de Leitura do Brasil, 2007. p. 1-17. Disponível em: http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais16/sem08pdf/sm08ss02_06.pdf. Acesso em: 17 abr. 2019.

KIRCHOF, E. R.; SILVEIRA, R. M. H. O pato, a morte e a tulipa: leitura e discussão de um livro ilustrado desafiador com alunos dos anos iniciais. Educar em Revista, v. 34, n. 72, p. 57-76, 2018.

KOVÁCS, M. J. Educadores e a morte. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 16, n. 1, p. 71-81, 2012.

KOVÁCS, M. J. Morte no processo do desenvolvimento humano. A criança e o adolescente diante da morte. In: KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992. p. 34-39.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LACERDA, N. G. Um Dente de Leite, um Saco de Ossinhos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

LAGO, A. et al. Meu filho pato: e mais contos sobre aquilo de que ninguém quer falar. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2011.

LOPES, T. C. R. Era uma vez o fim: representações da morte na literatura infantil. 2013. 79 f. Monografia (Bacharelado em Comunicação Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MÜLLER, G. C. K. Alcances e fragilidades: os temas de vida e morte nos livros didáticos. Educação, v. 30, n. 1, p. 165-180, 2005.

MUNDY, M. Ficar Triste não é ruim: Como uma criança pode enfrentar uma situação de perda. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2001. (Coleção Terapia Infantil)

MUNDY, M. O que acontece quando alguém morre? Um guia para as crianças lidarem com a morte e os funerais. São Paulo: Paulus, 2011. (Coleção Terapia Infantil)

PAIVA, L. E. A arte de falar da morte para crianças. Aparecida: Ideias & Letras, 2011.

PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D. Lidando com a morte e o sentimento de perda. In: PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento Humano. 12. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. p. 629-651.

PEDRO, A. et al. A Vivência da Morte na Criança e o Luto na Infância. Psicologia.pt, 26 maio 2011. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0226.pdf. Acesso em: 27 fev. 2022.

SANTOS, A. C. O luto no ambiente escolar da educação infantil. 2013. 16 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Faculdade de Educação de Porto Velho, Porto Velho, 2013.

SENGIK, A. S.; RAMOS, F. B. Concepção de morte na infância. Psicologia & Sociedade, v. 25, n. 2, p. 379-387, 2013.

SILVEIRA, R. M. Velhice e morte na literatura para crianças: apontamentos sobre o que e como se ensina a elas. In: SEMINÁRIO ANPED SUL, 9., 2012. Caxias do Sul. Anais [...]. Caxias do Sul: UCS, 2012.: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2977/234. Acesso em: 15 abr. 2022.

SOUZA, M. E. P. Família/escola: a importância dessa relação no desempenho escolar. 2009. 25 f. Universidade Estadual do Norte do Paraná, Santo Antônio da Platina, 2009. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1764-8.pdf. Acesso em: 12 mar. 2022.

TORRES, W. C. da. O conceito de morte na criança. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 31, n. 4, p. 9-34, 1979.

VALDÍVIA, P. É assim. São Paulo: Editora SM, 2012.

ZAMBELI, S. M. M.; KAERCHER, K; FELIPE, J. O que a Literatura Infantil nos revela sobre a Morte. UFRGS, 2014. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/189976/001091456.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 mar. 2022.

ZIRALDO. Menina Nina. 2. ed. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

Downloads

Publicado

18-06-2024

Como Citar

BRITO, H. R. do N. G.; CÂMARA, C. M. F.; MAIA, A. H. N.; CARNEIRO, S. N. V. A PERSPECTIVA DOS EDUCADORES SOBRE O USO DA LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO MEDIADOR PARA ABORDAGEM DA MORTE. Revista Expressão Católica, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 6–19, 2024. DOI: 10.25190/rec.v13i1.327. Disponível em: http://publicacoes.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/rec/article/view/327. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>