REDES SOCIAIS E BEM-ESTAR: UMA ANÁLISE DO USO DAS REDES SOCIAIS POR ADOLESCENTES

Autores

  • John Karley de Sousa Aquino Instituto Federal do Ceará, IFCE, Brasil
  • Enzo Vidotti Marinho Universidade Federal do Ceará, UFC, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.25191/recs.v9i1.797

Palavras-chave:

Redes sociais, Saúde mental, Adolescentes

Resumo

Atualmente as redes sociais fazem parte do cotidiano das pessoas de diversas maneiras. Nossos adolescentes são os principais usuários e estão cada vez mais se relacionando através das redes sociais, afetando para o bem ou para o mal o seu bem-estar. A presente pesquisa tem por objetivo descrever os impactos das redes sociais na saúde mental e no bem-estar dos adolescentes cearenses pelo prisma da filosofia e da psicanálise. Esta pesquisa foi dividida em duas etapas, a primeira foi o estudo bibliográfico sobre o tema e a segunda a realização de uma pesquisa de campo do tipo quantitativa-descritiva. Coletamos 473 respostas e após a coleta, foi realizada a organização dos resultados em gráficos e, em seguida, abordamos os resultados com base na revisão bibliográfica sobre o assunto. Identificamos com esta pesquisa que as meninas são as mais afetadas em termos de saúde mental do que os meninos e a dinâmica que caracteriza as redes sociais é fonte de sentimentos de insatisfação, frustração e baixo autoestima, ou mesmo sintomas depressivos.

Referências

ABJAUDE, S. A. R. et al. Como as mídias sociais influenciam na Saúde mental. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog., v. 16, n. 1, p. 1-3, jan./fev.2020.

ALMEIDA, A. P. O superego arcaico, as redes sociais e sua relação com o burnout na era do cansaço: Revisitando Melanie Klein. Jornal de Psicanálise, v. 55, n. 102, p. 105-123, 2022.

ALVES, M. V. C. et al. As dimensões da carga cognitiva e o esforço mental. Revista Brasileira de Psicologia, Salvador, v. 4, n. 1, p. 02-16, 2017.

ANDRIOLI, L. A. O corpo e a mulher na história da filosofia: uma leitura a partir de Merleau-Ponty centrada na atual discussão sobre a corporeidade. 2010. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/FILOSOFIA/Monografias/corpo_mulher_filosofia.pdf. Acesso em: 05 set. 2023.

BARATO, G. A descoberta do inconsciente e o percurso histórico de sua elaboração. Psicologia: ciência e profissão, v. 29, n. 1, p. 74-87, 2009.

BONFIM, G. W.; NASCIMENTO, I. P. C.; BORGES, N. B. Transtorno dismórfico corporal: revisão de literatura. Contextos Clínicos, v. 9, n. 2, p. 240-252, 2016.

CAMACHO, B. C. O papel dos influenciadores digitais no processo de decisão de compra dos seus seguidores. 2018. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Tradução de Mana Thereza Redig de Carvalho Barrocas. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARNEVALLI, J. A.; MIGUEL, P. A. C. Desenvolvimento da pesquisa de campo, amostra e questionário para realização de um estudo tipo survey sobre a aplicação do QFD no Brasil. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2001_tr21_0672.pdf. Acesso em: 15 set. 2023.

CARVALHO, M. da P. F. dos S. As observações kantianas sobre o belo sexo. In: TIBURI, M.; MENEZES, M. M.; EGGERT, E. (org.). As mulheres e a filosofia. São Leopoldo: UNISINOS, 2002.

CERANTOLA, J. F. A.; FIAMENGHI JUNIOR, G. A. Redes sociais e impactos na subjetividade do adolescente na Pandemia. In: ZAGO, M. C. (org). Saúde mental no século XXI: indivíduo e coletivo pandêmico. Guarujá: Científica Digital, 2021.

CORDEIRO, L. H. et al. Um olhar psicanalítico sobre a influência das redes sociais na constituição da autoimagem do adolescente. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, São Paulo, v. 8, n. 11, p. 1368-1381, 2022.

CORDEIRO, P. R. SANTOS, Q. S. G. Relação entre redes sociais e bem-estar psicológico: o que dizem os jovens adultos? Anima Educação, 2021. Disponível em: https://repositorio.animaeducacao.com.br/bitstream/ANIMA/20319/1/Relacao%20entre%20bem-estar%20e%20redes%20sociais.%20o%20que%20dizem%20os%20jovens%20adultos.pdf. Acesso em: 12 set. 2023.

COSTA, A. et al. Indústria Cultural: Revisando Adorno e Horkheimer. Movendo Ideias, Belém, v. 8, n. 13, p. 13-22, 2003.

COSTA, A. K. S. da. Hipersexualização frente ao empoderamento: a objetificação do corpo feminino evidenciada. 2018. Disponível em: https://7seminario.furg.br/images/arquivo/338.pdf. Acesso em: 05 set. 2023.

CUNHA, A. B. de P.; RESENDE, I. L. S.; SILVA, J. G. M. A relação entre o uso das redes sociais e a saúde mental dos adolescentes. 2022. 22 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) – Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, 2022.

FERREIRA, M. L. R. A mulher como “o outro”: a filosofia e a identidade feminina. 2021. Disponível em: https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/5612.pdf. Acesso em: 05 set. 2023.

FIDALGO, J. M. P. O impacto das redes sociais na saúde mental dos jovens. 2018. 55 f. Universidade de Lisboa. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2018.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREITAS, B. G. V. de. 2022. 27 f. O impacto das redes sociais na saúde mental. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Psicologia) – Universidade de Uberaba, Uberaba, 2022.

FREUD, S. A dissolução do complex de Édipo (1924). In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud Volume XIX. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. A obsolescência da psicanálise. In: Cultura e sociedade Volume 2. Tradução de Isabel Maria Loureiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

FREUD, S. Esboço de psicanálise (1938). In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud Volume XXIII. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, S. O Ego e o Id (1923). In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud Volume XIX. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

GAIÃO, B. F.; LEÃO, A. L. Reflexões sobre o imperativo do gozo e a mercadorização da cultura. CONTEXTUS - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 16, n. 3, p. 208-231, 2018.

GAINO, L. et al. O conceito de saúde mental para profissionais de saúde: um estudo transversal e qualitativo. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, v. 14, n. 2, p. 108-116, 2018.

GOMES, A. C. de C.; PEDROSA FILHO, R. B. de A.; TEIXEIRA, L. C. Nem ver, nem olhar: visualizar! Sobre a exibição dos adolescentes nas redes sociais. Ágora (Rio de Janeiro), v. 23, n. 1, p. 91-99, jan./abr. 2021.

GUIMARÃES, Á. da M.; ALEIXO, L. da S.; COSTA, M. S.’A. Redes sociais: influências na construção da identidade dos adolescentes. 2020. Disponível em: http://dspace.doctum.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/3577/REDES%20S

OCIAIS%20INFLU%c3%8aNCIAS%20NA%20CONSTRU%c3%87%c3%83O%20DA%20IDENTIDADE%20DOS%20ADOLESCENTES.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 13 set. 2023.

MARCUSE, H. Cultura e sociedade: volume II. Tradução de Wolfgang Leo Maar, Isabel Maria Loureiro e Robespierre de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

MARCUSE, H. Eros e Civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1969.

MENEZES, M. M. Da academia da razão à academia do corpo. In: TIBURI, M.; MENEZES, M. M.; EGGERT, E. (org.). As mulheres e a filosofia. São Leopoldo: UNISINOS, 2002.

OWALDO NETO, F. A Lei e a norma na psicanálise. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 5, n. 2, p. 144-151, 2013.

PEREIRA, C. S. G. Digital influencers e o comportamento dos seguidores no Instagram: um estudo exploratório. 2017. 97 f. Dissertação (Mestrado em Marketing Digital) – Instituto de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, 2017.

REBELO, A. R. et al. Os adolescentes e as redes sociais. Adolesc. Saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 84-90, 2020.

REISEN, G. dos S. et al. O Impacto das redes sociais na saúde mental. Revista Esfera Acadêmica Saúde, Vitória, n. 2, p. 69-85, 2021.

ROCHA, P. R.; DAVID, H. M. S. Determinação ou Determinantes? Uma discussão com base na Teoria da Produção Social da Saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, n. 1, p. 129-135, jan./fev. 2015.

ROYAL SOCIETY FOR PUBLIC HEALTH AND YOUNG HEALTH MOVEMENT. Status of Mind: Social media and young people’s mental health. 2017. Disponível em: https://www.rsph.org.uk/uploads/assets/uploaded/d125b27c-0b62-41c5a2c0155a8887cd01.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

SCHAEFFER, C. L.; LUCE, F. B. Da mídia de massa às novas mídias: aspectos evolutivos da comunicação em marketing. Anais de Resumos Expandidos do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais, v. 1, n. 2, 2019.

SILVA, M. da C. A relação entre redes sociais e autoestima. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, São Paulo, v. 7, n. 4, 2021.

VIEIRA, Y. P. et al. Uso excessivo de redes sociais por estudantes de ensino médio do sul do Brasil. Revista Paulista de Pediatria, v. 40, p. e2020420, 2022.

WILSON, E. G. Against Happiness: in Praise of Melancholy. New York: Sarah Crichton Books, a division of Farrar, Straus and Giroux, 2008.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Mental health: a state of well-being. 2022. Disponível em: http://www.who.int/features/factfiles/mental_health/en/. Acesso em: 28 abr. 2023.

ZIZEK, S. A visão em paralaxe. Tradução de Maria Beatriz Medina. São Paulo: Boitempo, 2008.

Downloads

Publicado

16-05-2024

Como Citar

AQUINO, J. K. de S.; MARINHO, E. V. REDES SOCIAIS E BEM-ESTAR: UMA ANÁLISE DO USO DAS REDES SOCIAIS POR ADOLESCENTES. Revista Expressão Católica Saúde, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 16–32, 2024. DOI: 10.25191/recs.v9i1.797. Disponível em: http://publicacoes.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/recs/article/view/797. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais