PESTALOZZI E A PSICOLOGIA POSITIVA: UMA EXPERIÊNCIA COM A CULTURA DA PAZ NO ENSINO SUPERIOR JURÍDICO DA FUPAC

Autores

  • Leilane Virgínia Vieto Penariol Centro Universitário Leonardo da Vinci, UNIASSELVI, Brasil
  • Daniel González

DOI:

https://doi.org/10.25190/rec.v11i2.28

Palavras-chave:

Pestalozzi, Psicologia Positiva, Cultura da Paz

Resumo

A intolerância e a violência presentes nas instituições de ensino brasileiras demandam iniciativas que fomentem o desenvolvimento de uma cultura de paz. Nesta pesquisa o objetivo foi refletir sobre o contexto atual e investigar como o modelo pedagógico desenvolvido Johann Pestalozzi Heinrich, que prioriza a fraternidade, o amor e o afeto no processo educacional infantil, poderia ser introduzido na realidade do ensino superior. Promoveu-se o estudo de caso da FUPAC, instituição em que o método pestalozziano foi adaptado em consonância com fundamentos da Psicologia Positiva para desenvolver práticas pedagógicas que estabeleceram condições mais favoráveis ao sucesso na aprendizagem ao mesmo tempo em que estimularam a formação para a cultura da paz no ambiente universitário. Empregou-se um delineamento metodológico que incluiu as pesquisas bibliográfica e telematizada, responsáveis pelo aporte teórico necessário à análise proposta. O trabalho permitiu concluir que as transformações estruturais e pedagógicas essenciais ao banimento da violência e a construção de ambientes mais favoráveis ao aprendizado no ensino jurídico superior dependem de tempo, formação docente de qualidade e contínuos aperfeiçoamentos das práticas pedagógicas, constituindo a pedagogia de Pestalozzi e a Psicologia Positiva instrumentos que colaboram com a promoção da transformação necessária para harmonia do ambiente e das relações, o que pode refletir na melhora do desempenho acadêmico.

Referências

ALMEIDA, L. Crise no ensino jurídico tem sintomas desde Brasil Império. AUN, 19 fev. 2018. Disponível em: de http://aun.webhostusp.sti.usp.br/index.php/2018/02/19/crise-no-ensino-juridico-tem-sintomas-desde-brasil-imperio/. Acesso em: 02 jan. 2020.

ALVARENGA, E. M. Metodologia da investigação quantitativa e qualitativa. Assunção: Ed. Própria, 2014.

ALVES, E. D. et al. Extensão universitária e ensino em saúde: impactos na formação discente e na comunidade. Extensão universitária e ensino em saúde: impactos na formação discente e na comunidade. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 3, p. 29895-29918, 2021.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994. Dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil - OAB. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, 5 jul. 1994.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

CHATEAU, J. Os grandes pedagogistas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

CURSOS Jurídicos. MAPA, 03 fev. 2017. Disponível em: http://mapa.an.gov.br/index.php/menu-de-categorias-2/422-cursos-juridicos#:~:text=O%20primeiro%20curso%20jur%C3%ADdico%20a,a%20forma%C3%A7%C3%A3o%20de%20futuros%20magistrados. Acesso em: 11 abr. 2022.

DECLARAÇÃO Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos. Instituto Legado, 10 dez. 2018. Disponível em: https://institutolegado.org/blog/declaracao-universal-dos-direitos-humanos-integra/?gclid=CjwKCAiA78aNBhAlEiwA7B76p7x5hw9FxUfoJM-2eQaKLJ2HZzLFz-sR-9tTOn7JMkbhkegt7G9UjBoC66UQAvD_BwE. Acesso em: 02 jan. 2020.

FIGUEIREDO, M. C. C.; GOMES, J. dos S. A origem dos cursos jurídicos no Brasil. Rev. Âmbito Jurídico, out. 2012. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/edicoes/revista-105/a-origem-dos-cursos-juridicos-no-brasil/. Acesso em: 03 fev. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

INCONTRI, D. Como o afeto e o amor podem transformar a educação. Terra, 11 jul. 2014. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/educacao/como-o-afeto-e-o-amor-podem-transformar-a-educacao,19930cf2af217410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html#:~:text=O%20afeto%20proposto%20por%20Pestalozzi,Educa%C3%A7%C3%A3o%20Dora%20Incontri%2C%2051%20anos. Acesso em: 01 abr. 2022.

INCONTRI, D. Pestalozzi: Educação e ética. São Paulo: Sapucaia, 1996.

LIMA, D. V. M. de. Desenhos de pesquisa: uma contribuição para autores. Online Brazilian Journal of Nursing, v. 10, n. 2, 2011.

LIMA, R. S. de J. A pedagogia do amor de Pestalozzi. 2017. Disponível em: https://silo.tips/download/a-pedagogia-do-amor-de-pestalozzi. Acesso em: 01 abr. 2022.

LOPES, A. et al. Repensando a Didática. São Paulo: Papirus, 1991.

MORESI, E. (org.). Metodologia da pesquisa. Universidade Católica de Brasília: Brasília, 2003. Disponível em: http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2010-2-metodologia-de-pesquisa/MetodologiaPesquisa-Moresi2003.pdf. Acesso em: 26 fev. 2020.

NEVES, G. A. T. das. Contribuições da afetividade e do amor docente na pedagogia pestalozziana para a escola contemporânea. 2019. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.

NUNES, P. Psicologia Positiva. Psicologia.pt, 26 set. 2008. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0115.pdf. Acesso em: 23 maio 2021.

PASSARELI, P. M.; SILVA, J. A. Psicologia positiva e o estudo do bem-estar subjetivo. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 4, p. 513-517, out./dez. 2007.

PENARIOL, L. V. V. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: O projeto de Lei n. 5.826/2016 da Câmara dos Deputados e a promoção da cultura da paz nas escolas. In: PENARIOL, L. V. V., PETER FILHO, A. L. O. América Latina: Temas contemporâneos em educação e gestão pública. São Paulo: Ixtlan, 2018.

PESTALOZZI e a revolução da educação brasileira. Carta Capital, 26 maio 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/vanguardas-do-conhecimento/pestalozzi-e-a-revolucao-da-educacao-brasileira/. Acesso em: 31 mar. 2022.

PESTALOZZI, J. H. How Gertrude Teaches Her Children: An Attempt to Help Mothers to Teach Their Own Children and an Account of the Method. Tradução: Lucy E. Holland e Francis C. Turner. London: George Allen & Unwin Ltd., 1915.

RAMOS, F. S. As mídias sociais e a psicologia positiva como elementos do plano de marketing para o terceiro setor. São Paulo: Ed. Ixtlan, 2018.

RAMOS, F. S. Fraude acadêmica: uma análise ético-legislativa. Pará de Minas: Virtualbooks, 2012.

RAMOS, F. S. et al. A crise no ensino jurídico e a necessária valorização da leitura como instrumento da aprendizagem universitária. Pará de Minas: Virtualbooks, 2016.

RODRIGUES, H. W. A crise no ensino jurídico de graduação no Brasil: indo além do senso comum. 1992. 417 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1992.

SCORSOLINI-COMIN, F.; SANTOS, M. A. A Medida Positiva dos Afetos: Bem-Estar Subjetivo em Pessoas Casadas. Psicologia: Reflexão e Crítica, p. 11-20, v. 25, n. 1, 2010.

SILVA, D. N. Constituição de 1988. Brasil Escola, [s. d.]. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/constituicao-1988.htm. Acesso em: 09 dez. 2021.

UNESCO. Cultura de paz: da reflexão à ação; balanço da Década Internacional da Promoção da Cultura de Paz e Não Violência em Benefício das Crianças do Mundo. Brasília: UNESCO; São Paulo: Associação Palas Athena, 2010.

WALLON, H. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Editorial Estampa, 1975.

WANTUIL, Z.; THIESEN, F. Allan Kardec, o Educador e o Codificador. Rio de Janeiro: FEB, 2004.

Downloads

Publicado

28-02-2023

Como Citar

PENARIOL, L. V. V.; GONZÁLEZ, D. PESTALOZZI E A PSICOLOGIA POSITIVA: UMA EXPERIÊNCIA COM A CULTURA DA PAZ NO ENSINO SUPERIOR JURÍDICO DA FUPAC. Revista Expressão Católica, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 7–16, 2023. DOI: 10.25190/rec.v11i2.28. Disponível em: http://publicacoes.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/rec/article/view/28. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais